Oficio enviado à Bolsonaro e Petrobras para evitar nova greve dos caminhoneiros

O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas – CNTRC enviou, terça-feira (20), a presidência da república e também ao presidente da Petrobras um ofício com uma proposta inovadora para tratar da política de preços da Petrobras, principalmente Gasolina e Diesel. Além do presidente Bolsonaro e de Luna e Silva, o oficio do conselho também chegou às mãos de autoridades importantes do país, como ministros e políticos. A alta dos preços nos últimos meses aumenta o risco de novas greve dos caminhoneiros, algo que o governo não gostaria de ver.

A proposta é revolucionária, prometendo que os preços caíam bastante em todo o país, com ênfase a gasolina e diesel. Os consumidores iriam pagar 45% menos gasolina, enquanto o diesel teria uma redução de 27%, por fim teria uma redução de 22% do preço do gás de cozinha. Isso acontecendo certamente as greve dos caminhoneiros não aconteceriam mais.

O CNTRC destacou na nota em sua primeira parte uma grande expectativa de toda a categoria com as ações do novo presidente da Petrobras, que foi escolhido a dedo pelo presidente, Jair Bolsonaro. O texto possui um total de 8 páginas, mas vamos disponibilizar um resumo. Caso você queira ler na integra é só clicar neste link.

Resumo do ofício enviado ao presidente Jair Bolsonaro e Petrobras
A nota faz críticas ao último presidente da Petrobras, Castello Branco. Destacando a importância de subsídios, questionam o suposto prejuízo de 40 bilhões com subsídios. ”A Petrobras pode e deve manter preços adequados à capacidade de pagamento dos brasileiros. Preços muito elevados são injustos e politicamente insustentáveis. Qualquer política de preços que venha a ser introduzida tem que ter como limite superior a capacidade de pagamento dos brasileiros”.

A nota da CNTRC propõe ao presidente Jair Bolsonaro e para a Petrobras, que os preços dos combustíveis como gasolina e diesel, devem ter um limite de valor, de acordo com a capacidade econômica do povo brasileiro. Ainda é sugerido que os preços fiquem fixos e reajustados trimestralmente.

É sugerido também, uma taxação com relação a exportação de Petróleo bruto, em 20%. Os recursos seriam usados para compensar os estados e a federação de uma maneira proporcional. Enquanto isso, os mesmos iriam cortar em 100% nas alíquotas atuais, sobre combustíveis.

”Hoje um corte de 100% nos impostos significaria uma queda de preços na bomba, de 40% para a gasolina e de 20% para o diesel (sem considerar retirada de impostos no biodiesel e álcool).”

Nova greve dos caminhoneiros vem tentando ser evitada
Jair Bolsonaro vem trabalhando para tentar evitar uma nova greve dos caminhoneiros, algo que seria terrível para a economia do país já fragilizada. Porém, as mudanças de preços de combustíveis vem fazendo crescer a revolta dos caminhoneiros. No ultimo dia 01 de fevereiro, foi a CNTRC quem convocou uma nova greve dos caminhoneiros cobrando uma mudança nos ajustes dos preços.

Fonte: Click Petróleo e Gás