A expectativa pela confirmação de Silva e Luna no comando da Petrobras

O general de reserva Joaquim Silva e Luna deverá ter seu nome referendado pelo conselho da empresa na sexta (16) para assumir a presidência-executiva, segundo informações do Valor.

A reunião do Conselho de Administração ainda não foi convocada. Pelo regimento interno da Petrobras, o conselho precisa ser convocado com antecedência de sete dias, “salvo nas hipóteses de manifesta urgência”.

“A Petrobras não pode ficar com um presidente interino e diretores demissionários por muito tempo. É ruim para a empresa”, avaliou uma fonte. Valor

Há, porém, outro problema. Com críticas ao resultado da assembleia de acionistas, investidores minoritários decidiram tentar nova estratégia para ampliar o número de cadeiras no CA.

Único representante do grupo que conseguiu votos suficientes para se eleger, o advogado Marcelo Gasparino decidiu renunciar ao cargo para forçar a convocação de uma nova eleição. Ele alega que o processo de votação teve problemas e que o resultado deve ser questionado.

Gasparino anunciou à empresa que tomará posse e logo depois renunciará. Como as oito vagas foram eleitas em bloco, a renúncia força a realização de uma nova assembleia.

O conselho da Petrobras tem 11 cadeiras, 8 delas geralmente ocupadas por indicados do governo. Outras duas são reservadas a acionistas minoritários e a última, a representante dos trabalhadores da estatal. Folha de S. Paulo

O movimento ocorre após as sucessivas declarações de Bolsonaro indica o desejo de interferir nas práticas comerciais da companhia. O presidente afirmou recentemente que, com a posse de Silva e Luna, será possível “mudar essa política de preço lá” da Petrobras. Em meio os ataques para justificar a demissão de Castello Branco, questionou: “o petróleo é nosso?”.

A indústria de óleo também aguarda a definição da nova diretoria. Há operações em andamento com impacto direto no mercado, como a venda das refinarias, das distribuidoras de gás, o acesso à infraestrutura de gás natural — como previsto na nova lei do setor –, para citar alguns casos.

Fonte: Agência EPBR