Com preços dos combustíveis nas alturas, vale a pena ter um carro híbrido?

O preço dos combustíveis já passou por seis reajustes em 2021, representando um aumento de mais de 50% em relação ao final de 2019. Isso faz com que, na bomba, o litro da gasolina já seja ofertado acima de R$ 6 ou até R$ 7 a depender da região do Brasil.

Com o combustível nas alturas, os modelos com motor híbrido começam a surgir como alternativas interessantes de compra. A Toyota vem na vanguarda da tecnologia, com o Corolla sedan híbrido flex e, a partir deste mês, com o Corolla Cross Hybrid.

A notícia ruim é que modelos híbridos ainda custam mais caro do que rivais equivalentes a combustão para comprar. Mas, na comparação de consumo, em quanto tempo essa diferença de preço se paga?

Separamos quatro modelos híbridos e seus respectivos concorrentes para compararmos, entre diferença de consumo e valor de tabela, como a conta fecha e se vale a pena investir uns trocados a mais pelo híbrido no momento da compra.

Toyota Corolla Hybrid x Honda Civic Touring
O Toyota Corolla é o primeiro carro híbrido flex no mundo e o modelo híbrido zero-quilômetro mais barato no Brasil. Com 50 litros de gasolina, o modelo chega a registrar uma autonomia de 815 quilômetros na cidade. Enquanto isso, o seu rival histórico Honda Civic faz 590 quilômetros.

No entanto, na estrada é onde a disputa fica acirrada, com apenas cinco quilômetros de diferença na autonomia em favor do Toyota, que pode ser igualada dependendo da forma de condução do motorista.

O que deixa a autonomia do Civic (173 cv) na estrada ainda mais interessante é que ele tem 51 cv de potência a mais que seu rival híbrido, cuja potência combinada é de 123 cv.

Como o Corolla Altis Hybrid Premium custa R$ 6.790 a mais que o Civic Touring, usando como base o preço médio da gasolina no estado de SP, R$ 5,02, ela equivale a 1.352 litros de combustível.

Em uso 100% urbano, a diferença se paga após pouco menos de 60.000 km de uso. Na estrada, seriam necessários quase 2,9 milhões de km rodados. Como se pode ver, para rodar na cidade o Corolla Hybrid pode ser uma opção que vale a pena, mas para quem viaja com frequência o Civic ainda é mais negócio.

Toyota Corolla Altis Hybrid Premium
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Preço 0 km: R$ 158.890

Preço 2020: R$ 134.599

Consumo: 10,9 km/litro na cidade e 9,9 km/litro na estrada (etanol) / 16,3 km/litro na cidade e 14,5 km/litro com gasolina

Autonomia com 50 litros de gasolina: 815 quilômetros na cidade e 725 quilômetros na estrada

Leia também: Toyota Corolla Cross chega para ser o que a Fielder não conseguiu

Honda Civic Touring 1.5 Turbo
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Preço 0 km: R$ 152.100

Preço 2020: R$ 132.834

Consumo: 11,8 km/litro na cidade e 14,4 km/litro na estrada

Autonomia com 50 litros de gasolina: 590 quilômetros na cidade e 720 km/litro na estrada

Toyota RAV 4 x VW Tiguan Allspace
O Toyota RAV4 foi o SUV híbrido mais vendido no Brasil em 2020, com 3.219 unidades comercializadas. O modelo já tem boa fama desde os tempos a combustão, mas tem ganhado cada vez mais respeito entre os híbridos.

No comparativo com o VW Tiguan Allspace, o RAV4 faz bonito. Com 50 litros de gasolina, faz 300 quilômetros a mais na cidade e 160 km a mais na estrada que o SUV da marca alemã. E o RAV4 não deixa a desejar na performance, tem 222 cv para encarar os 220 cv do Tiguan.

Comparando os valores, o Toyota RAV4 é mais de R$ 17 mil mais caro, o que equivale a 3.386 litros de gasolina em SP. Essa diferença vai se pagar após pouco menos de 70.000 km rodados. Na estrada, seriam necessários 130.000 km.

Leia também: Estes 9 carros serão os principais lançamentos de 2021

Toyota RAV4 S Connect Hybrid
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Consumo: 14,3 km/litro na cidade e 12,8 km/litro com gasolina

Autonomia com 50 litros de gasolina: 715 quilômetros na cidade e 640 quilômetros na estrada

Preço 0 km: R$ 241.990

Preço 2020: R$ 207.662

Volkswagen Tiguan Allspace R-Line
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Consumo: 8,3 km/litro na cidade e 9,6 km/litro na estrada com gasolina

Autonomia com 50 litros de gasolina: 415 quilômetros na cidade e 480 quilômetros na estrada

Preço 0 km: R$ 224.650

Preço 2020: R$ 198.983

Lexus UX250H x Audi Q3
O Lexus é a marca premium da fabricante Toyota e o crossover híbrido UX250H é o modelo que mais se destaca na linha. Com design, performance e consumo atraente, o modelo ainda é aclamado pela segurança e confiabilidade características de sua marca. Um dos seus principais rivais não é ninguém menos, ninguém mais que Audi Q3.

Mas se a briga é boa em quase todos os quesitos, na autonomia o Lexus UX250H ganha disparadamente, com 50 litros de gasolina, ele faz 325 quilômetros a mais na cidade e 140 quilômetros a mais na estrada que o Audi Q3.

A diferença de valores é de R$ 16 mil a mais para o Lexus. Usando o mesmo critério dos casos acima, ela equivale a 3.187 km. O consumo do Lexus “pagará” isso após 84.000 km rodados na cidade ou quase 200.000 km em rodovias.

Leia também: 19 carros híbridos e elétricos que devem ser lançados no Brasil em 2021

Lexus UX250H Dynamic
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Consumo: 16,7 km/litro na cidade e 14,7 km/litro com gasolina

Autonomia com 50 litros de gasolina: 835 quilômetros na cidade e 735 quilômetros na estrada

Preço 0 km: R$ 233.990

Preço 2020: R$ 203.772

Audi Q3 Prestige
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Consumo: 6,9 km/litro na cidade e 8,1 km/litro (etanol) / 10,2 km/litro na cidade e 11,9 km/litro na estrada (gasolina)

510 quilômetros na cidade e 595 quilômetros na estrada (gasolina)

Preço 0 km: R$ 217.990

Preço 2020: R$ 189.183

Volvo XC40 Hybrid ou BMW X1
Aqui temos um caso inquestionável de vitória de um híbrido. O Volvo XC40 Hybrid é simplesmente o carro mais econômico dos últimos dez anos no Brasil. Potente e comedido no consumo, sabe o propósito com o qual veio ao mundo. O modelo é inquestionável em quase todos os quesitos, desde beleza até segurança, que inclusive conquistou nota máxima no EuroNCAP.

Na cidade, o Volvo XC40 R-Design com 50 litros de gasolina chega a fazer quase o triplo de quilômetros que o BMW X1, são 1.225 a 470 quilômetros. Na estrada, o SUV sueco faz quase o dobro que o SUV alemão.

Um ponto que chama atenção, é que dos dois modelos, o mais potente é o XC40 com potência combinada de 262 cv, contra os 231 cv do X1. E ainda é R$ 3 mil mais barato.

Pode parecer pouco significante para modelos que beiram os R$ 300 mil, mas se estamos aliando isso a um consumo acima de 20 km/l em qualquer situação, mais que o dobro do rival, vira barbada.

Leia também: De Nivus a BMW X6, SUV cupê entrega menos e cobra mais. Mas é o futuro

Volvo XC40 Hybrid R-Design
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Preço 0 km: R$ 291.950

Preço 2020: R$ 235.342

Consumo: 24,5 km/litro na cidade e 22,3 km/litro com gasolina

Autonomia com 50 litros de gasolina: 1.225 km/litro na cidade e 1.115 km/litro na estrada

BMW X1 xDrive25i Sport
Motorização híbrida é boa opção para economizar com combustível, embora ainda custe mais caro do que um modelo equivalente a combustão
Preço 0 km: R$ 294.950

Preço 2020: R$ 240.451

Consumo: 6,6 km /litro na cidade e 8,1 km/litro na estrada (etanol) / 9,4 km/litro na cidade e 11,4 km/litro (gasolina)

Autonomia com 50 litros de gasolina: 470 quilômetros na cidade e 570 quilômetros na estrada

Vale a pena comprar um carro híbrido?
Vale se o motorista praticamente se ater a usá-lo na cidade, com exceção do caso do Volvo. Para quem viaja muito, como vimos, ter um automóvel 100% a combustão ainda acaba sendo melhor negócio.

Mesmo em uso urbano, os híbridos ainda demoram quase sempre mais de 60.000 km para devolver a diferença de preço. Outro ponto importante de saber é que um híbrido possui mais componentes passíveis de manutenção, pois alia um motor térmico com bateria e motorização elétrica. É preciso observar se a fabricante em questão oferece garantia estendida para esse sistema. No caso da Toyota, são oito anos.

Além disso, os híbridos sofrem uma desvalorização significativa com somente um ano de uso. Isso é muito ruim para quem comprou o modelo zero-quilômetro, mas pode ser uma ótima oportunidade para quem não se importa de comprar um seminovo.

Em resumo, a grande vantagem de comprar um híbrido está no mercado de seminovos, o que faz o modelo ter um valor mais atraente que seus rivais a combustão e, assim, fazer o consumidor ganhar no preço e na economia de combustível. E ainda estar no período de garantia.

Para quem deseja um modelo híbrido, mas com valores mais acessíveis do que os exemplos acima, fizemos uma lista com os cinco melhores carros híbridos de até R$ 160 mil.

Com valores abaixo disso, a lista fica muito limitada e é necessário recorrer a modelos mais antigos, o que pode não valer tanto a pena, por conta da bateria e outros itens, mas isso é assunto para outra matéria.

Fonte: Mobiauto