Startup gaúcha cria sistema de precificação para postos de combustíveis

21/01/2021

O preço do combustível na bomba, muitas vezes, é determinante para o consumidor optar por um ou outro posto. Uma startup de Porto Alegre aposta em uma solução que facilita essa tomada de decisão por parte dos empreendimentos para se firmar no mercado. E percebeu que há demanda.
“Somos pioneiros em desenvolver e implementar Inteligência Artificial (IA) para precificação em postos. Hoje, mais de 200 postos em 16 estados do País usam nosso sistema”, diz Guilherme Zuanazzi, CEO da Aprix, lançada em 2018.
O negócio desenvolveu uma tecnologia de monitoramento de forma automática. Atualmente, mais de 13 mil postos entram nesse radar diariamente. O sistema gera uma tarifa dinâmica baseada em preço, custo e volume. A partir disso, sugere um valor para ser praticado por quem contrata o serviço.
A equipe é composta por 22 pessoas, a maioria delas são engenheiras e engenheiros com dupla-diplomação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e em escolas de Engenharia da França. Guilherme, inclusive, trouxe a inspiração da Europa.
“A ideia nasceu a partir da minha experiência de estudos e trabalho no time de pricing (precificação) da consultoria global Accenture, em Paris”, conta.
O projeto tem chamado atenção e conquistado prêmios. Em 2019, Alfredo Tellechea, da família fundadora da marca Ipiranga, que foi diretor e CEO da Ipiranga e vice-presidente da Braskem, entrou como investidor. Além disso, a Aprix venceu a etapa local do Global Student Entrepreneur Awards (GSEA), programa da Entrepreneurs Organization (EO), rede que reúne mais de 15 mil empreendedores e está presente em 62 países.
A grande sacada, conforme Guilherme, foi permitir que seus clientes “capturem oportunidades de margem e de volume de vendas, algo que não é possível ser feito por um ser humano”. A Aprix tem um valor fixo de instalação e depois é cobrada uma mensalidade. “Em 2020, mesmo com a pandemia, crescemos mais de 500% na comparação com 2019”, revela o empreendedor.
Para este ano, a meta é dobrar a equipe e o número de postos utilizando o sistema, além de captar uma nova rodada de investimento. Os sócios da empreitada, que é formada ainda por Bernardo Queiroz, Frederico Lehn Maciel, Henrique Colao Zanuz e Gabriel Vargas Correa, buscam um cheque de R$ 2,4 milhões.
“O sistema traz a maturidade necessária para o setor de combustíveis, na linha do que já existe nos mercados mais competitivos, como Estados Unidos e Inglaterra, onde a solução surgiu pela primeira vez através da Kalibrate”, destaca Guilherme.

Solução deve avançar para outros mercados

Em 2021, além da meta de escalar na revenda de combustíveis, foi iniciada a implementação da solução para um cliente em um setor novo: indústria de alimentos. Distribuidoras e bancos também estão sendo atendidos, entre eles, o Bradesco.
Fonte: Jornal do Comércio