PIB cresce 7,7%, mas não compensa perda

04/12/2020

O Brasil deixou a recessão para trás no terceiro trimestre, com avanço de 7,7% do PIB em relação ao trimestre anterior. Foi o maior ritmo de expansão da série iniciada em 1996, mas a alta se deu após contração de quase 10% no segundo trimestre, quando a economia foi atingida pelos efeitos econômicos da pandemia.

A alta forte foi insuficiente para zerar as perdas acumuladas no ano – o PIB ainda ficou 4,1% abaixo do nível registrado no quarto trimestre de 2019, o último a não ser afetado pela covid-19, e a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que reflete a taxa de investimento, cresceu 11%, abaixo do esperado pelo mercado.

A recessão de 2020 deve reduzir o PIB per capita de tal forma que a volta ao nível de 2019, antes da pandemia, deve ocorrer apenas em 2023. Para voltar ao mesmo patamar de 2013, o melhor ano, será necessário mais uma década, de acordo com o Ibre/FGV. Num grupo de 48 países, no terceiro trimestre, o país ocupou a 25ª posição entre os que mais cresceram.

Fonte: Valor Econômico