Grupo Caoa anuncia investimento de R$ 1,5 bi em 5 anos na fábrica de Goiás

Grupo Caoa, que produz veículos das marcas Hyundai e Chery em Anápolis (GO), anunciou ontem plano de investir R$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos. O anúncio ocorre três semanas após o presidente Jair Bolsonaro ter sancionado lei que prorroga até 2025 incentivos fiscais para montadoras do Centrooeste, onde está apenas a Caoa, e Norte e Nordeste.

A montadora vai direcionar os investimentos ao lançamento de novos modelos e marcas. Hoje, são produzidos na fábrica os utilitários esportivos Tiggo, da Chery, e ix35 e New Tucson, da Hyundai. A Caoa também monta no local caminhões de pequeno porte da Hyundai.

O plano de investimento deve gerar 2 mil empregos diretos, segundo estimativa da empresa. A ideia é atrair também fornecedores de peças para perto da operação quando a produção anual ultrapassar 100 mil unidades, gerando 10 mil novos empregos diretos – se isso acontecer, ressalta a Caoa. Hoje a fábrica tem capacidade para produzir 86 mil veículos ao ano, mas opera abaixo dessa condição.

Mauro Correia, presidente da Caoa, informou que o grupo planeja produzir uma terceira marca no local, além da coreana Hyundai e da chinesa Chery. Embora ele não tenha fornecido detalhes, é quase certo tratar-se da marca de modelos de luxo da Chery chamada de Exeed.

Segundo Correia, a montadora está em estágio “bem adiantado” no estudo de produção da nova marca. “Estamos bem adiantados nesse estudo”, afirmou. A Exeed foi criada em 2017 focada em utilitários-esportivos (SUVS), segmento do mercado que mais cresce no Brasil e em vários outros países.

Durante o evento, que teve a participação do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), Correia anunciou a intenção de lançar dez novos carros no período do investimento, entre modelos totalmente novos e renovação dos atuais, introdução de tecnologias de eletrificação e a nova marca. A montadora também tem planos de expandir de 101 para 150 o total de concessionárias da marca Caoa Chery.

Caiado – que participou da assinatura da lei em Brasília – afirmou que houve “forças contrárias à prorrogação da MP”, que venceria no fim deste ano.

Várias montadoras do Sudeste criticaram a medida, que somará 15 anos de incentivos. A única que deu declarações públicas, contudo, foi a Toyota.

O presidente da empresa, Rafael Chang, disse que o grupo vai avaliar novos investimentos para os próximos cinco anos e levará em consideração a renovação dos incentivos que beneficia seus concorrentes. “Precisamos de previsibilidade e de isonomia nas regras do jogo nos países onde vamos investir.”

A extensão dos incentivos beneficia também Ford e FCA, instaladas no Nordeste. Segundo a Toyota, somando os benefícios estaduais, elas têm vantagem de 13% nos tributos, ou seja, um carro que custa R$ 100 mil tem desconto de R$ 13 mil em impostos.

Fonte: O Estado de S.Paulo