Nova gasolina se torna obrigatória no país

05/08/2020

As novas especificações da gasolina automotiva, estabelecidas pela ANP na Resolução nº 807/2020, são obrigatórias no país desde a última segunda-feira (3). Segundo a agência, essas novas especificações aprimoram a qualidade da gasolina brasileira, proporcionam maior eficiência energética, melhorando a autonomia dos veículos pela diminuição de consumo, e viabilizam a introdução de tecnologias de motores mais eficientes, com menores níveis de consumo e emissões atmosféricas.

A revisão da especificação da gasolina automotiva contempla, principalmente, três pontos. O primeiro é o estabelecimento de valor mínimo de massa específica (ME), de 715,0 kg/m3, o que significa mais energia e menos consumo. O segundo é valor mínimo para a temperatura de destilação em 50% (T50) para a gasolina A, de 77,0 ºC.

As novas especificações estipulam ainda uma massa específica mínima e um valor mínimo de octanagen RON (sigla em inglês para Número de Octanas Pesquisa). A octanagem é uma medida que tem relação com a qualidade de combustão do combustível.Na primeira fase das mudanças, o valor mínimo de RON será 92. Em janeiro de 2022, o número deve ser elevado para 93, mais próximo dos 95 vigentes na maior parte da Europa.

Publicada em janeiro deste ano, a resolução deu prazo até 3 de agosto para os produtores de combustíveis se adequarem às regras. A iniciativa atende aos atuais requisitos de consumo de combustível dos veículos e de níveis de emissões progressivamente mais rigorosos, considerando cenário futuro das fases L-7 e L-8 do Programa de Controle de Emissões Veiculares (Proconve – Ibama) e do Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística (Governo Federal).   —