Procura por combustível diminui 60% e preço cai quase R$ 0,40 em postos de Cuiabá

02/04/2020

O preço dos combustíveis, em Cuiabá, teve queda de quase R$ 0,40 nesta semana. O litro do etanol baixou para R$ 2,89 em alguns postos da capital. A gasolina passou a custar, em média, R$ 4,20 por litro.

Segundo representantes das usinas e dos postos, a restrição de circulação e o isolamento social determinado pelas autoridades, por causa da pandemia da Covid-19, diminuiu a procura pelo produto em 60%, o que ocasionou a queda dos preços.

De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), até o último sábado (28), o preço do etanol estava em média de R$ 3,27, em Cuiabá. O preço mínimo encontrado do litro do combustível era de R$ 3,14 e o máximo, R$ 3,29.

Nesta quarta-feira (1), os postos cobram pelo litro do etanol entre R$ 2,89 e R$ 2,99.

De acordo com o Jorge Santos, presidente do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras em Mato Grosso, a redução do preço nas bombas pode ser reflexo da queda de preço na produção. Segundo o presidente, os preços nas usinas de etanol diminuíram R$ 015 na semana de 16 a 20 de março, e R$ 0,16 na semana de 23 a 27 de março.

“Reduzimos o valor repassado às distribuidoras, porque tivemos um custo mais baixo de produção devido a diminuição do preço do diesel”, explica.

O etanol não é o único combustível que está mais barato. A gasolina também apresentou redução nas bombas em postos de combustíveis da capital, nesta semana. Segundo levantamento da ANP, o litro do combustível custava, em média, R$ 4,60, até o último domingo (28).

O preço mínimo do litro registrado no postos de Cuiabá foi de R$ 4,39 e o máximo, de R$ 4,79.

Nesta quarta-feira, o litro da gasolina custa, em média, entre R$ 4,19 e R$ 4,29, ou seja, uma redução de quase R$ 0,40. Em alguns postos a redução é menor e o litro do etanol chega, em média, a R$ 4,40.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Sindipetroleo), Nelson Soares, afirmou que a redução nos postos acontece por causa da retração da economia e diminuição da demanda. ” A demanda está menor. A procura está caindo cada dia mais, então isso reflete nos preços que chegam nos postos”, afirma.

lém disso, ele explica que a distribuidoras de combustíveis estão repassando o produto com menor valor, por isso, os postos conseguem repassar essa queda do custo para os consumidores finais. Na semana passada, a Petrobrás anunciou duas reduções no preço do barril de petróleo. A primeira de 10% e outra de 25%.

” As distribuidoras devem fazer apropriação da queda de preço, para melhorar a margem de lucro por causa da queda de volume e a diminuição da procura também. Assim, eles estão conseguindo repassar o produto mais barato para comércio”, explica.

O presidente afirma que as reduções feitas pela Petrobrás ainda não foram repassadas pelas distribuidoras, então o preço dos combustíveis pode ter uma nova queda ainda nos próximos dias.

Fonte: G1