Nota de Esclarecimento

20/09/2019

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) informa que dificilmente os postos terão condições de absorver os reajustes de preços efetuados, ontem (19), pelas refinarias Petrobras em 3,5% da gasolina e 4,2% do diesel.

Segundo levantamento de preços da Agência Nacional do Petróleo, Biocombustíveis e Gás Natural (ANP), os preços médios na bomba, considerando as duas primeiras semanas de setembro de 2019 em comparação aos preços médios de dezembro de 2018, tiveram redução de 1,39% para a gasolina e aumento de 0,6% para o diesel.

No acumulado do ano até hoje, o aumento de preços nas refinarias para gasolina e diesel é de 15,95% e 26,92%, respectivamente.

Os preços da revenda estão ligados diretamente aos preços das companhias distribuidoras, ou seja, se elas aumentarem, os postos, consequentemente, também repassam o aumento.

Os valores praticados pela Petrobras correspondem a um terço do preço pago pelo consumidor nos postos. Considera-se também os custos dos biocombustíveis, impostos, fretes e margens.

A margem bruta na média nacional da revenda está em torno de 10%, conforme a ANP.

A Fecombustíveis ressalta que o mercado é livre e competitivo em todos os segmentos , não interfere no mercado e zela pela livre concorrência e pela livre iniciativa, em defesa de um Brasil melhor para todos.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Fecombustíveis