23 de setembro de 2019

Renovabio trará novos investimentos

13/09/2019

VP de Etanol, Açúcar e Bioenergia da Raízen, Francis Vernon Queen avalia os impactos do programa e comenta sobre emprego da tecnologia para ampliar a produtividade

Francis Vernon Queen pode ser pouco conhecido entre os executivos tradicionais do setor sucroenergético. Mas já possui oito anos de dedicação profissional à Cosan, uma das principais players e sócia da Shell na Raízen. Em 2008, ele assumiu a posição de CIO do Grupo Cosan.

De lá para cá, Vernon Queen ocupa posições na Raízen até chegar a vice-presidente de Açúcar, Etanol e Bioenergia (AEB) da companhia.

Qual sua expectativa com o RenovaBio, que entra em vigor em janeiro próximo?

Francis Vernon Queen – O RenovaBio é uma política governamental que entrará em vigor a partir do ano que vem e poderá trazer uma maior robustez ao setor sucroenergético nacional. O programa reconhece os benefícios oferecidos pelos combustíveis renováveis, além de trazer segurança e previsibilidade de abastecimento e melhor qualidade do ar.

Além dos avanços ambientais e de estar alinhado com uma política internacional de descarbonização dos transportes, o RenovaBio trará novos investimentos e aportes para o setor, que serão necessários para conclusão da meta estipulada para 2028.

Com novos investimentos, teremos um setor mais preparado e capaz de exportar uma tecnologia totalmente brasileira: a utilização de etanol como biocombustível.

Em média, as unidades operam com ociosidade industrial de 20%. Como reduzir isso sem grandes investimentos?

Francis Vernon Queen – A Raízen vê nas novas tecnologias um grande aliado para o aumento da produtividade no campo. A companhia tem apostado e tido reconhecimento no mercado por conta das novas soluções utilizadas desde a sua formação em 2011. A empresa continuará trabalhando arduamente para desenvolver o setor ao longo dos próximos anos.

Quais suas dicas para agilizar a capacitação de profissionais?

Francis Vernon Queen – A Raízen acredita que o segredo de seu sucesso está em cada um dos mais de 29 mil funcionários. Para garantir a melhor capacitação para seus profissionais, a empresa tem investido constantemente em programas que visam a preparar nosso time para os desafios futuros.

Na última safra foram destaques dois programas oferecidos pela Raízen. O primeiro foi o lançamento do “Ampliando Nossa Liderança”, cujo objetivo era manter o processo de desenvolvimento das lideranças com base na cultura interna da companhia. Já o segundo exemplo é o “Geração Raízen”, que tem o objetivo de acelerar as carreiras dos colaboradores internos.

Com duração de cerca de 18 meses, na última safra contou com abrangência de várias áreas de atuação para que os colaboradores contemplados pudessem ter uma visão macro da companhia.

Em outras palavras, a união entre tecnologia, informação e cultura interna de aperfeiçoamento contínuo são chaves para que o profissional se desenvolva no mercado atualmente.

A safra 20/21 tende a ser melhor em preços para o setor, por conta da possível menor produção mundial de açúcar. É hora de o empresário iniciar investimentos em sua unidade?

Francis Vernon Queen – Os investimentos nas unidades produtoras das empresas garantem uma maior eficiência operacional e podem proporcionar ganhos significativos.

Entretanto, as empresas devem analisar suas atuações individuais e sempre acompanhar a variação do mercado para definir se devem ou não fazer aportes e o melhor momento para isso. Cabe ao responsável pela operação do grupo e/ou unidade tomar essa decisão.

Fonte: Jornal Cana