Com imbróglio judicial, falta GNV nos postos em MT

19/05/2019

Como precisa da intermediação da Petrobras, Mato Grosso sofre com a falta de gás há um ano devido a um imbróglio judicial que suspendeu um contrato entre a estatal e a Âmbar Energia, que pertence à J&F (dona da JBS) e controla a Usina Termelétrica de Cuiabá e o gasoduto que liga Bolívia e Cuiabá. A distribuidora local, MT Gás, também ficou sem gás e deixou os postos de combustíveis da cidade sem GNV, prejudicando

motoristas. Eles nem conseguem fazer a vistoria. Além disso, muitas indústrias tiveram de trocar o gás natural por GLP, que custa o triplo. — Há um interesse em privatizar (a MT Gás), desde que exista mercado. Se não houver solução para a continuidade do fornecimento do gás via Bolívia, vamos privatizar o quê? — questiona o governador Mauro Mendes (DEM). A Fiemt, federação das indústrias do estado, entrou com processo na Justiça Federal exigindo que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) resolva a questão do desabastecimento. E pediu a inclusão da Gasocidente Mato Grosso (GOM), que opera o gasoduto, da Petrobras e da MT Gás no polo passivo da ação. O juiz ainda não deu uma decisão.

Fonte: O Globo