Carro elétrico e baterias vão mudar o vocabulário de componentes

14/06/2019

Níquel-hidreto metálico, íon de lítio, cobalto, grafeno, nióbio… Prepare-se para uma era em que a química vai fazer parte das conversas sobre automóvel. Embora as baterias de íons de lítio sejam preponderantes, carros eletrificados utilizam versões com diversos elementos. Elas fornecem o combustível para os motores elétricos, da mesma forma que gasolina, etanol e diesel alimentam propulsores a explosão.

O Toyota RAV4, SUV híbrido que chega este mês ao Brasil, emprega baterias de níquel-hidreto metálico (Ni-MH). Segundo a montadora, elas são “menos compactas”, mas possuem menor custo, menor degradação e melhor reciclagem.

A escolha pelo tipo de bateria a ser utilizada depende da densidade energética que se pretende obter. “Densidade energética”, a propósito, é outro termo que deverá permear as conversas sobre carros num futuro próximo. É ela que define a capacidade de armazenamento de energia da bateria. Seu valor é definido em quilowatt-hora (kWh).

De acordo com o coordenador de eventos da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), Ricardo Takahira, as baterias de níquel-hidreto metálico são mais estáveis e, portanto, oferecem menor risco de apresentar defeitos. Mas Takahira, engenheiro eletrônico especializado em veículos elétricos, garante que as baterias de íons de lítio são mais modernas. Elas equipam os carros da Tesla, BMWi (i3 e i8), Jaguar I-Pace, Nissan Leaf, Renault Zoe, etc.

Baterias de Híbridos x Elétricos

Veículos híbridos podem ter baterias menores, porque nesse caso há um motor a combustão auxiliando na recarga. Já automóveis puramente elétricos têm de ter baterias de maior densidade, e que normalmente ocupam mais espaço no carro. Isso porque nesse caso não há “socorro” do motor a explosão. Ou são recarregadas em frenagem e desacelerações, ou na tomada.

Fonte: O Estado de São Paulo